Conduta

Passo a passo para criar um diário de emoções com as crianças da classe

Passo a passo para criar um diário de emoções com as crianças da classe



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os pais, mas também os professores, têm uma missão muito importante na educação dos filhos e, sobretudo, na forma como gerem e expressam as suas emoções. Para ajudar os professores nesta tarefa, quero falar com você sobre como crie um diário de emoções, uma ferramenta educacional por meio da qual os alunos falarão de forma criativa sobre o que sentem e analisarão o que lhes acontece com liberdade e muito senso de humor. Podemos começar?

De acordo com diferentes investigações, Existem vários benefícios quando expressamos nossas emoções de uma forma controlada:

- Aumento da autoestima e confiança em si mesmo e nos outros

- O relacionamento com as pessoas ao nosso redor é fortalecido.

- Melhora o desempenho acadêmico, a convivência e a motivação.

Se não controlarmos nossas emoções (como controlar nosso temperamento ou ser invadido por uma tristeza profunda), elas podem ter um efeito desastroso sobre nós e outras pessoas.

Especialistas em Educação Emocional recomendam, para a aprendizagem das emoções nas aulas, evitar o improviso, que é feito de forma sistemática e contínua apenas com cartas, e que é trabalhado de forma isolada (apenas uma hora por semana, por exemplo )

Para começar, é importante levar em consideração as situações que o grupo ou a turma está vivenciando no dia a dia, ou que ocorrem entre os próprios jovens. Por isso, é imprescindível ouvir os alunos, conhecer os seus interesses, preocupações e necessidades, para que as propostas didáticas sobre as emoções que vão ser realizadas façam parte da vida presente de todos os componentes da aula.

O objetivo principal da Educação Emocional é que os alunos tomem consciência de si mesmos, do que está acontecendo ao seu redor e de como isso pode afetar ou afetar os outros. Assim, você pode dar sentido ao que aprende e perceber que o que você sente e o que acontece com você é ouvido e respeitado pelos outros e é importante para todos.

No aprendizado de emoções, seja em sala de aula ou em casa, manter um diário de emoções é um excelente recurso por meio do qual você pode compartilhar ideias, pensamentos e preocupações, ajudando o escritor a minimizar o estresse mental, acalmá-lo e meditar sobre o que escreveu.

Além de se conhecerem melhor, as crianças e os jovens aprenderão com ele a ter uma verdadeira consciência de si próprios e do seu meio, isso os ajudará a se expressar livremente e sem medo das opiniões dos outros, por isso seria de vital importância estabelecer com antecedência quem vai ler ou ter acesso a ele e que uso deve ser feito dele além da livre expressão de pensamentos e sentimentos.

Para fazer um diário de emoções, é aconselhável cobrir o seguinte cinco gols com diferentes propostas didáticas:

- Identifique emoções.

- Fale sobre emoções detalhe.

- Expresse os sentimentos que a música provoca, representações artísticas, etc.

- Crie composições musicais ou visuais para cada emoção, colagens, ilustrações, escritos, etc.

- Escreva livremente no diário, como um meio de expressar as próprias emoções com as quais se identifica.

Em última análise, com a criação deste diário pretende-se que os alunos reconheçam, compreendam, sintam e vivam as suas emoções com total naturalidade, que delas se ajudem, aprendam a desenvolver mecanismos para as enfrentar e controlar, e evitem ferir-se ou a si próprios. Os demais.

Com que emoções podemos começar? A partir dessas situações que estão ocorrendo na sala de aula. Se, por exemplo, houve algum tipo de assédio ou falecimento de algum familiar ou algum dos alunos recebeu uma boa notícia, podemos propor atividades relacionadas ao medo, tristeza ou surpresa aos alunos.

Você pode começar com as emoções principais e depois continuar com as secundárias: nojo, alegria, surpresa, medo, raiva, tristeza, calma e vergonha. Uma segunda possibilidade é personalizar o diário adicionando outros tópicos que desenvolvam, por exemplo, inteligência interpessoal ou intrapessoal, conforme acharmos adequado.

A seguir, propostas e atividades educacionais são oferecidas para cobrir os cinco objetivos mencionados acima:

1. Para que os alunos aprendam a identificar emoções Você pode ler histórias, assistir a um curta-metragem de desenho animado ou refletir sobre diferentes imagens (pinturas, ilustrações ou esculturas). Talvez você possa usar os mais explícitos no início e continuar com os mais complexos.

Outra opção é o aluno adicionar ao diário as fotos que eles mesmos fazem ou que pesquisam na internet, com todos os tipos de imagens que se adequam a cada emoção, e a seguir realizam algum tipo de atividade, seja criar uma história, uma música, colagem ou qualquer outro tipo de representação artística.

É importante que, oralmente ou por escrito, individualmente, em pares ou em grupos, os alunos descrevam, comentem ou justifiquem entre si e no seu diário as propostas que fizeram a este respeito.

2. Para quê conhecer e expressar emoções em detalhesPodemos pedir aos alunos que definam as emoções em pares, individualmente ou em grupos, e a seguir, por exemplo, procurar sinônimos e antônimos para cada um deles. E então, com essa informação, escreva enigmas, versos, provérbios, trava-línguas ou rimas. Eles também podem relacionar essas emoções a circunstâncias ou situações que vivenciam diariamente.

Além disso, eles podem ser solicitados a relacionar significados diferentes com a emoção correspondente; Ou crie buscas de palavras ou palavras cruzadas com conceitos relacionados a cada emoção. Ao mesmo tempo, é interessante fazer pequenos jogos (tipo tabu, jogos de cartas ou de tabuleiro) para descrever ou criar situações que apresentam alguma dificuldade, por exemplo, confiar em emoções secundárias.

3. Usando os cinco sentidos associar uma emoção ao que percebemos, seja na forma, tátil, olfativa, auditiva ou visual. Podemos, por exemplo, vendar os olhos dos alunos e depois deixá-los expressar as emoções que sentiram ao tocar, cheirar ou provar o que foi levado para a aula. Eles podem ser solicitados a buscar situações reais em que as emoções sejam evidentes, seja por meio da imprensa, da televisão, da internet, da arte ou dos videogames.

Podemos fazê-los refletir perguntando-lhes ao ver ou ouvir a apresentação de um colega: Quando foi que me senti assim? Como os outros se sentiram em situações X? Quem se sentiu como eu e quando?

4. O quarto é o objetivo mais criativo e tentaríamos fazer com que os alunos expressam-se livremente e de forma artística, Propondo que elaborem a partir de situações e emoções, por exemplo, uma colagem ou ilustração de uma história ou poema que leram e que trata de uma emoção.

Outra atividade é criar um trailer de vídeo para cada uma das emoções, sobre uma história, uma música, ou um caligrama ou notícia para escrevê-los no papel ou transmitir podcasts, reais ou fictícios, sobre cada emoção, ou realizar dramatizações onde estas são expressas para começando com dramatizações ou composições visuais (estáticas ou em movimento). Tudo isso seria incorporado ao diário, onde refletiriam sobre cada uma das criações artísticas, disponibilizando se desejassem uma fotografia ou imagem como amostra.

5. O diário, como meios de expressar emoções e pensamentosDeve ser usado com frequência, sem forçar o aluno a escrever nele, pois quando somos obrigados a fazer algo o nível de motivação diminui assustadoramente. Como o objetivo é que eles aprendam a se expressar livremente e a se identificarem consigo mesmos, com o que sentem e como os que estão ao seu redor se sentem em diferentes situações, o uso do diário já deve ser motivador para eles. Portanto, devem ser estimulados e incentivados a escrever nele como uma atividade divertida, importante e necessária para todos eles.

De referir que o desenvolvimento de um diário de emoções para a aula, que poderá ser elaborado tanto individualmente como em grupo, irá incentivar os alunos aprendem sobre si mesmos e com os outros por meio da livre expressão.

Se este recurso for avaliado, deve-se estabelecer desde o início quem terá acesso a ele e quais aspectos serão valorizados. Uma lista de verificação ou rubrica poderia ser usada para isso, com cujos instrumentos de avaliação aspectos formais ou estruturais poderiam ser avaliados, ao invés de conteúdo, como limpeza, ordem, número de contribuições, um índice, extensão , etc ...

Para alcançar os benefícios mencionados no início do artigo, é fundamental evitar que no jornal erros ortográficos ou gramaticais sejam corrigidos, numericamente qualificados ou avaliados aspectos tão subjetivos como a criatividade ou a forma de expressão.

Os alunos já estão bastante saturados de exames, trabalhos de casa e anotações, por isso devem ser deixados, principalmente com o ensino das emoções e por meio de um diário, um espaço de liberdade para se expressar com sinceridade, criatividade e reflexão e meditação por escrito (embora também oralmente), sobre quem são, o que pensam ou como se sentem com base no que acontece dentro ou ao redor deles.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Passo a passo para criar um diário de emoções com as crianças da classe, na categoria de Conduta no local.


Vídeo: Diário das emoções. #RoTodoDia (Agosto 2022).