Conduta

As crianças precisam de tempo para brincar, não para brincar


Existem certos momentos no calendário em que o consumismo explode e parece impossível parar ou lutar contra ele. Falamos, por exemplo, sobre o Natal. E se disséssemos que você tem o melhor presente de casa e não custa dinheiro? Você não sabe do que estamos falando? As crianças precisam de tempo para brincar, não de brinquedos.

As crianças de hoje estão superestimuladas: catálogos de brinquedos, comerciais de TV, vitrines de shopping ... Tudo isso deixa as crianças loucas e querem pedir tudo na carta do Papai Noel ou dos Magos.

Meu conselho é que, assim que as crianças estão em idade de aprender a escrever, devemos promover que são eles que escrevem suas cartas e / ou de seus irmãos menores para aproveitar a oportunidade de trabalhar na alfabetização.

Embora seja mais confortável para os pais escreverem a carta, as crianças devem se esforçar para fazê-lo sozinhas, embora já tenhamos falado que os adultos os orientarão para incluir um determinado tipo de brinquedo e nós limitaremos a quantidade.

Quando as crianças são pequenas, os pais precisam manter um equilíbrio entre estimular a ilusão de seus filhos sobre os Três Reis e controlar os tipos de brinquedos que eles pedem, além de restringir sua demanda. Muitos pais pensam que os reis têm que trazer muitas coisas e que os filhos estão cheios de dons; outros, ao contrário, temem que sua situação econômica os impeça de comprar tudo o que gostariam ou o que seus filhos pedem. É por isso que recomendamos o seguinte diretrizes para os pais saberem como abordar os presentes de Natal:

- Estabelecer limites, Por mais que os presentes sejam trazidos por Suas Majestades do Oriente ou do Papai Noel, não é aconselhável que as crianças fiquem sobrecarregadas de brinquedos. Eles precisam aprender o valor das coisas e, quando as têm, esse valor se perde. Além disso, muitas vezes abrem o brinquedo e quase não prestam atenção nele. O número de brinquedos a encomendar pode ser definido com antecedência. Por exemplo, três coisas. O ajustamento dependerá também do preço e do orçamento, mas não devemos concordar em incluir brinquedos muito caros ou fora do orçamento.

- Coordenação com a família É mais uma das variáveis ​​que devemos controlar nestas datas, seja porque não queremos que os filhos recebam uma grande carga de presentes, e por isso vamos combinar com os familiares o que lhes vão dar, seja porque precisamos de ajuda para podermos faça um presente para as crianças. No caso de ter uma família numerosa, pode concordar com eles que nem todos os presentes são brinquedos e aproveite para pedir coisas de que precisam como roupas, material escolar, calçado desportivo, pijama ...

As crianças não vão valorizar mais um presente pelo seu preço, você não precisa ter uma boa aparência gastando uma determinada quantia de dinheiro. Você só precisa usar um pouco de bom senso:

- Não se deixe levar pela moda nem pelo que a sociedade impõe. Encontre o que você acha que seu filho mais gostará.

- Também não podemos nos deixar levar por temas sexistas ao escolher brinquedos. Hoje tudo é diferenciado por sexo, bonecas para meninas, carros para meninos, até os tradicionais quebra-cabeças e mecans são segmentados, e existem para meninos e meninas. Vamos respeitar o gosto de cada criança, e fazer com que pelo menos alguns brinquedos sejam unissex.

- Vivemos em um mundo tecnológico, e é verdade que as crianças de hoje são nativas digitais, mas não podemos esquecer os benefícios dos brinquedos tradicionaisTente não reduzir a letra inteira a "brinquedos com telas".

- É bom que as crianças brinquem outras coisas onde são elas que têm que invente o jogo, aqueles que favorecem sua criatividade, ou aqueles que devem ser prestados mais atenção.

- Não se esqueça de incluir livros, fazer com que os filhos vejam os livros como parte regular de suas vidas os encorajará a se interessar pela leitura.

- Não importa o quão animado você esteja com o menino ou a menina Em hipótese alguma os Reis trarão um brinquedo que não seja adequado para sua idade.

E, não se esqueça, que as crianças de hoje têm muito mais brinquedos do que nunca, mas o que eles não têm tempo é para brincar com esses brinquedos e o que as crianças mais gostam é que o pai, a mãe, o tio, a tia ou os avós se sentem com elas para brincar. Isso é muito melhor do que o brinquedo mais sofisticado do mercado.

É sempre bom promover hábitos de solidariedade entre as crianças e não só agora que o Natal se aproxima. Prolongue-o 365 dias por ano e que isso nos ajude a ser consistentes na educação que damos aos nossos filhos ao longo do ano e evite, assim, que promovamos o consumismo exacerbado com eles ou que as coisas são descartáveis.

Por exemplo, se você já tem um brinquedo ou uma boneca muito parecida com a de outros Natais, os Reis não devem trazer para você outra quase idêntica porque a cor do modelo mudou. Também podemos limpar brinquedos e todos aqueles que não usam mais o motivo, entregá-los a uma ONG que os distribui para crianças mais carentes.

E, finalmente, vamos lembrar às crianças que Papai Noel e os Três Reis Magos vêm trazer presentes para as crianças que se comportaram bem. Não esqueçamos esta parte da tradição, que é o que nos ajudará a reforçar os comportamentos de obediência, estudo e colaboração nas crianças.

Você pode ler mais artigos semelhantes a As crianças precisam de tempo para brincar, não para brincar, na categoria de Conduta no local.


Vídeo: Brincar de Massinha e o desenvolvimento infantil (Julho 2021).